João Amoêdo critica sistema político durante visita a Teresina

Compartilhe

O candidato a presidente do Brasil pelo Partido Novo, João Amêdo, desembarcou no Aeroporto Petrônio Portella, em Teresina, na tarde desta quinta-feira (04), onde vai encerrar a sua campanha na região Nordeste. O presidenciável cumpre agenda até a sexta-feira (05).

Do aeroporto, Amôedo seguiu em carreata até o Metropolitan Hotel, onde concedeu entrevista coletiva à imprensa. Um dos pontos destacados por ele foi o combate à ‘velha política’: “A gente está numa polarização que não é a polarização que a gente gostaria de estar discutindo, a gente deveria estar discutindo a polarização do Brasil velho, do Brasil das mordomias, do Brasil da corrupção, dos políticos que usam a máquina pública para benefício próprio, pra um Brasil diferente, um Brasil mais seguro, com oportunidades, com educação de qualidade, onde as pessoas tenham liberdade pra montar seus negócios e essa é a renovação que o Novo representa”, afirmou.

 

O candidato a presidente do Brasil pelo Partido Novo, João Amêdo, desembarcou no Aeroporto Petrônio Portella, em Teresina, na tarde desta quinta-feira (04), onde vai encerrar a sua campanha na região Nordeste. O presidenciável cumpre agenda até a sexta-feira (05).

Do aeroporto, Amôedo seguiu em carreata até o Metropolitan Hotel, onde concedeu entrevista coletiva à imprensa. Um dos pontos destacados por ele foi o combate à ‘velha política’: “A gente está numa polarização que não é a polarização que a gente gostaria de estar discutindo, a gente deveria estar discutindo a polarização do Brasil velho, do Brasil das mordomias, do Brasil da corrupção, dos políticos que usam a máquina pública para benefício próprio, pra um Brasil diferente, um Brasil mais seguro, com oportunidades, com educação de qualidade, onde as pessoas tenham liberdade pra montar seus negócios e essa é a renovação que o Novo representa”, afirmou.

 

O presidenciável criticou os benefícios que os políticos possuem: “Agora, pra isso é fundamental que pra quem está indo para o Governo comece dando exemplo, cortando seus próprios privilégios, mordomias, quantidades de assessores, parar de andar de jatinho, de morar em palácio, ter chefe de cozinha, a gente precisa dar uma sinalização que quem está lá não é uma autoridade, é um funcionário público e isso ao longo do tempo foi se perdendo, os políticos, infelizmente, estão lá trabalhando para os seus próprios interesses, é isso que o Novo que mudar”.

Questionado sobre com quem preferiria disputar um eventual segundo turno, Amoêdo respondeu: “É indiferente, porque acho que a grande parte dos que estão lá representam a velha política, tão na política há muitos anos representando interesses, alguns corporativistas defendendo determinadas elites, privilégios, e a gente está lá para discutir ideias, discutir propostas”.

“A gente está a poucos dias das eleições, mas ainda há muita gente com voto indefinido e a mensagem que a gente quer trazer é que dá pra mudar sim, a gente tem que mostrar o que a gente quer do novo Brasil, mostrar esperança, não votar com medo, sair dessa polarização que muitos anos sempre existiu. Não vai ser com uma sociedade dividida que a gente vai construir o Brasil”, disparou.

 

Amoêdo explicou ainda o motivo de ter escolhido o Piauí para encerrar a sua campanha no Nordeste: “Achei que era muito importante porque pra gente melhorar o Brasil passa por melhorar o nordeste, dar mais condições para as pessoas se desenvolverem e eu tive aqui, em Teresina, há 40 anos e tinha gostado muito do local e achei que a gente deveria terminar passando por aqui”.

Sobre um apoio do partido caso haja segundo turno entre Bolsonaro e Haddad, Amoêdo disse que só será discutindo depois do dia 7: “O Novo vai discutir depois do 1º turno, agora a gente está trabalhando para estar no segundo turno, e depois começa a se discutir se terá apoio para alguém e sempre em função das ideias, o Novo é um partido que não acredita em salvadores da pátria, nós acreditamos na força das ideias, nos princípios e valores, é isso que vai mudar uma sociedade”.

O Partido Novo entrou com ação para impedir que o ex-presidente Lula concedesse entrevista à Folha de S. Paulo, Amoêdo explicou o motivo: “Porque era claramente uma manobra, como tem sido feito até hoje, de colocar a foto do Lula em vários materiais de campanha, era claramente uma manobra para interferir no processo político que é sim um processo democrático, foi pra preservar a isenção no processo democrático. Ele só estava buscando dar essa entrevistar para tentar trazer um fato novo e influenciar a candidatura do Haddah do PT”.

Agenda

Às 17 horas, Amoêdo concederá entrevista ao programa Conversa Franca, da TV Antena 10 e às 19 horas vai participar de um evento no Auditório Caneleiro da Uninovafapi, no bairro Planalto Uruguai, zona leste de Teresina, onde irá apresentar toda a plataforma de governo para a disputa presidencial. Ainda em Teresina, o candidato acompanhará o último debate, que será realizado pela TV Globo.

Na sexta-feira (5), o candidato inicia sua agenda, às 7 horas, dando entrevista ao programa Notícia da Manhã, da TV Cidade Verde, finalizando sua visita às 8h30 com panfletagem e caminhada até o Shopping da Cidade, no centro da Capital.

De Teresina, Amoêdo seguirá para o seu último ato de campanha no Rio de Janeiro, sua cidade natal.

Fonte: GP1

Comentários no Facebook

Entre em contato com o Portal MN
Enviar mensagem
Close